Que o plástico tornou a rotina das pessoas mais prática e econômica, é inegável.

Mas, quais as consequências do aproveitamento de um material que antes via-se como facilitador e hoje, estampa campanhas pela redução do uso e reciclagem, por conta da poluição?

 

Vamos entender o termo micropoluição?

 

O termo micropoluição, apesar de ser algo novo, é base para uma discussão há algum tempo e tem como foco os impactos negativos pela emissão de microplásticos. De uma forma ampla, conseguimos observar as sequelas do descarte incorreto de objetos não degradáveis no meio ambiente, responsáveis pela poluição de rios, mares, solos e também pela interação negativa com a fauna, resultando no adoecimento e morte de diversas espécies de animais.

 

Fonte: Pexels.



Entretanto, a micropoluição, como o próprio nome sugere, não é visível a olho nu e pode ser encontrada na água potável, nos alimentos e até mesmo no ar. Estudos apontam que um adulto ao longo da vida pode consumir até 20KG DE PLÁSTICO INVOLUNTARIAMENTE e esta ingestão pode ser responsável por diversas disfunções 

 

Compreender que o que consumimos atinge não só o meio ambiente, mas nossa saúde, é fundamental para mudanças em nossos hábitos e escolhas.



Como o setor de vestuário está relacionado à micropoluição?

 

Itens de vestuário com fibras sintéticas como Poliéster, Nylon, acrílico e Elastano em sua composição, sofrem com o desgaste e atrito, liberando pequenas fibras durante a lavagem ou utilização em ambientes aquáticos. Por isso, cuidados importantes devem ser tomados para a manutenção das peças e escolhas inteligentes por produtos com matérias-primas de alta qualidade podem ser pontos positivos.

 

Fonte: Pexels.



Acompanhe a seguir algumas dicas do Guia de Lavagens indicado pelo projeto Stop! Micro Waste fora plastic free nature para prevenir a emissão de microfibras plásticas:

 

#Lave mais frio!

 

A temperatura pode influenciar na resistência das fibras e a combinação da água + calor para as lavagens enfraquece o fio. A hidrólise resulta em mais plástico, acabando com os oceanos. Prefira lavar as peças em temperatura ambiente ou no máximo 30ºC.

 

Fonte: Pexels.

 

#Lave menos!

 

Areje as roupas e lave as manchas pontuais à mão, sempre que possível, evitando lavagens desnecessárias. Uma dica da Coltex é optar por peças com respirabilidade, permitindo a transpiração e minimizando odores no uso da roupa.

 

#Reduza a velocidade de rotação!

 

A fricção durante o ciclo de rotação nas lavagens gera maior desgaste nas fibras dos tecidos. Como tecidos com composição sintética secam mais facilmente, reduza as rotações ou opte por pular a centrifugação, protegendo suas roupas e mantendo a qualidade das mesmas.

 

Tecidos como Walk Stretch, Jurerê e Piér são artigos excelentes no quesito secagem rápida e muitas vezes tecidos como estes secam com apenas 5 a 6 sacudidas, experimente! Conheça essas opções tecnológicas da Coltex clicando aqui.

 

#Separe tecidos diferentes!

 

Separando as roupas com tecidos diferentes, você minimiza a quebra das fibras, devido à força mecânica da máquina de lavar, em combinar artigos pesados e leves.

 

#Lave por menos tempo!

 

Diminua o ciclo de lavagens, evitando o desgaste e rompimento dessas fibras por um tempo longo.

 

#Escolha bem os produtos de higienização!

 

O sabão em pó possui abrasivos minerais que levam ao aumento do atrito e ao maior desgaste das fibras. Dê preferência por sabão líquido com ph neutro e evite alvejantes.



Escolhas inteligentes auxiliam na manutenção do meio ambiente e reduzem o impacto tanto na natureza, quanto na fauna e em nossa própria saúde. Lembrando que as fibras sintéticas da Coltex Textil são criteriosamente selecionadas pela nossa equipe de Pesquisa e Desenvolvimento que realiza diversos testes de durabilidade das peças. A durabilidade é um assunto que pouco se fala no termo de sustentabilidade, mas que tem tudo a ver com o tema.

 

Gostou do conteúdo? Compartilhe com mais pessoas! 

Fale com um representante da Coltex Têxtil mais próximo, clicando aqui.